4-Xtremes – Parte 2: Expedição no deserto, no centro da Europa

Série: 4-Xtremes – The World Tour

Fazer um safari.

Areia do deserto dentro das fronteiras da UE? Existe – na Polónia! Os Kammermann exploraram o inigualável Deserto de Błędów.

Reduzir a pressão dos pneus e acelerar! O facto de os Kammermann terem redistribuído o lastro na traseira do Axor antes do seu novo arranque também contribuiu para o bom comportamento de condução na areia.
Reduzir a pressão dos pneus e acelerar! O facto de os Kammermann terem redistribuído o lastro na traseira do Axor antes do seu novo arranque também contribuiu para o bom comportamento de condução na areia.
Reduzir a pressão dos pneus e acelerar! O facto de os Kammermann terem redistribuído o lastro na traseira do Axor antes do seu novo arranque também contribuiu para o bom comportamento de condução na areia.
Reduzir a pressão dos pneus e acelerar! O facto de os Kammermann terem redistribuído o lastro na traseira do Axor antes do seu novo arranque também contribuiu para o bom comportamento de condução na areia.
De noite, até os javalis vinham fazer uma visita no deserto polaco.
De noite, até os javalis vinham fazer uma visita no deserto polaco.

Um local que no reinício da nossa «World Tour» nos suscitava grande curiosidade era o Pustynia Błędowska, o Deserto de Błędów, no sul da Polónia. Sim, isso mesmo: um deserto na Europa, não muito longe das cidades grandes de Cracóvia e Katovice.

Claro que não se trata do Saara. Pois enquanto esse continua a crescer, o Deserto de Błędów, cuja origem é tema de várias lendas, vai diminuindo progressivamente, tornando-se mais uma estepe. Dos antigos 150 quilómetros quadrados restam apenas 32. Mas a paisagem rodeada de pinheiros mantém até hoje um caráter muito especial.



Pistas de areia proporcionam prazer de condução.

Para nós, overlander, um deserto tem algo à nossa espera: pistas de areia! Depois de muito tempo, pudemos voltar a baixar a pressão dos pneus do Axor para 2,5 bar. As pistas oferecem locais duros para uma condução mais rápida, mas também locais com areia macia entre as árvores. Nesses pontos, os desafios técnicos são maiores, tem, por exemplo, de se ativar os bloqueios do diferencial.

Na ampla parte escassamente coberta de vegetação do areal, é bem possível encontrar-se turistas. Ou pessoas que aqui se deslocam por motivos profissionais: fomos inesperadamente testemunhas de uma sessão fotográfica de beachwear.



Javalis e aviões militares.

Se nos deslocarmos um pouco mais para dentro, ficamos sozinhos e, no máximo, conseguimos ver javalis – e aviões!

As forças armadas polacas utilizam uma área isolada do deserto, por exemplo, para exercícios de paraquedismo. É uma sensação estranha ver um avião de carga aproximar-se a baixa altitude e de repente largar material da porta traseira.

O segundo dia trouxe uma tempestade de verão com inúmeros relâmpagos. Alguns caíram tão perto, que a nossa estrutura vibrou. Ainda bem que estacionámos na orla da floresta e não no meio do deserto, como tínhamos pensado fazer inicialmente. Depois de três dias no Deserto de Błędów, tivemos a certeza: ficámos mais ricos com esta experiência fantástica.


4-Xtremes – The World Tour.

Uma viagem sem igual.

Andrea e Mike Kammermann passaram onze meses com o seu Axor na «4-Xtremes» Tour. Agora enfrentam um desafio ainda maior. O casal suíço irá passar três anos na estrada – e a Comunidade RoadStars poderá participar novamente! Mantenham-se sempre atualizados e não percam nenhum dos destinos deslumbrantes que fazem parte da viagem do nosso casal de aventureiros.

Encontram aqui todas as partes da série «4-Xtremes – The World Tour».


Fotografia e vídeo: 4-Xtremes

28 comentários