4-Xtremes – Parte 5: Coisas espantosas na costa ocidental da Finlândia

Série: 4-Xtremes – The World Tour

Praias de areia e sopa estival.

Um ferryboat como estrada, um encontro simpático na zona militar interdita, sinais legíveis: Andrea e Mike vivem várias surpresas na costa ocidental da Finlândia. Alces à frente da câmara também?

Direitinhos ao Cabo Norte: Andrea e Mike já percorreram várias centenas de quilómetros na Finlândia – e continuam em busca de alces.


Hailuoto é uma ilha ao largo da costa ocidental da Finlândia, bastante a norte do território. Aqui há um pequeno aeroporto, uma fábrica de cerveja e uma deliciosa «sopa estival finlandesa» com legumes e salmão. Sem esquecer as pegadas de alce que avistámos no solo arenoso. Sobre isso falaremos mais tarde. Primeiro acompanhem-nos durante mais cerca de 750 quilómetros de volta à pequena cidade portuária de Ekenäs, no sudoeste da Finlândia. Foi aí que começou a presente etapa da nossa «World Tour». Com a primeira de várias surpresas.

Sabemos desde os tempos de escola que o finlandês é muito difícil e que é quase impossível inferir palavras a partir de outro idioma. Por isso ficámos ainda mais espantados por conseguirmos decifrar vários sinais em Ekenäs. É que só aqui ficámos a saber que sobretudo aqui no sudoeste muitas pessoas falam o sueco, idioma muito mais familiar para estrangeiros, estando a sinalização em conformidade com isso. Daí para cá temos lido e ouvido bastante finlandês – e, definitivamente, não entendemos uma palavra. Ekenäs, com as suas casas de madeira antigas e coloridas e um pequeno mercado no centro, vale sempre um pequeno desvio.



Melgas? Negativo!

A partir daqui dirigimo-nos para norte, pois queremos alcançar o Cabo Norte antes da primeira neve. Paulatinamente, fomos avançando por entre pequenas aldeias de pescadores e acampamentos em locais idílicos. Quanto mais viajamos para norte, menos rochosa se apresenta a costa e mais frequentemente vemos praias planas e arenosas. As árvores já não são tão altas como no sul, e veem-se cada vez mais pântanos. Há uma coisa que felizmente se aplica a todas as regiões que visitámos até agora: as melgas primam, em grande parte, pela sua ausência.

Num local de pernoita junto à praia, o Mike quis verificar as pastilhas de travão do nosso Axor. A última vez que o tinha feito tinha sido em 2019 – na Rússia, numa troca de pneus durante a nossa primeira «4-Xtremes Tour». Infelizmente, os parafusos tinham sido apertados com tanta força que ao desapertar o quarto parafuso com o multiplicador de binário a chave de roquete partiu-se em dois, apesar de ser em aço temperado. Com muito recurso à improvisação, o Mike lá conseguiu voltar a apertar os parafusos soltos – e por enquanto teve de adiar a verificação das pastilhas de travão.


Verificação de pastilhas de travão com obstáculos: ao desapertar os parafusos, a chave de roquete partiu-se em dois – ainda assim, Andrea e Mike puderam desfrutar em pleno das maravilhosas paisagens finlandesas.
Verificação de pastilhas de travão com obstáculos: ao desapertar os parafusos, a chave de roquete partiu-se em dois – ainda assim, Andrea e Mike puderam desfrutar em pleno das maravilhosas paisagens finlandesas.
Verificação de pastilhas de travão com obstáculos: ao desapertar os parafusos, a chave de roquete partiu-se em dois – ainda assim, Andrea e Mike puderam desfrutar em pleno das maravilhosas paisagens finlandesas.
Verificação de pastilhas de travão com obstáculos: ao desapertar os parafusos, a chave de roquete partiu-se em dois – ainda assim, Andrea e Mike puderam desfrutar em pleno das maravilhosas paisagens finlandesas.
Verificação de pastilhas de travão com obstáculos: ao desapertar os parafusos, a chave de roquete partiu-se em dois – ainda assim, Andrea e Mike puderam desfrutar em pleno das maravilhosas paisagens finlandesas.
Verificação de pastilhas de travão com obstáculos: ao desapertar os parafusos, a chave de roquete partiu-se em dois – ainda assim, Andrea e Mike puderam desfrutar em pleno das maravilhosas paisagens finlandesas.
Verificação de pastilhas de travão com obstáculos: ao desapertar os parafusos, a chave de roquete partiu-se em dois – ainda assim, Andrea e Mike puderam desfrutar em pleno das maravilhosas paisagens finlandesas.
Verificação de pastilhas de travão com obstáculos: ao desapertar os parafusos, a chave de roquete partiu-se em dois – ainda assim, Andrea e Mike puderam desfrutar em pleno das maravilhosas paisagens finlandesas.
Verificação de pastilhas de travão com obstáculos: ao desapertar os parafusos, a chave de roquete partiu-se em dois – ainda assim, Andrea e Mike puderam desfrutar em pleno das maravilhosas paisagens finlandesas.
Verificação de pastilhas de travão com obstáculos: ao desapertar os parafusos, a chave de roquete partiu-se em dois – ainda assim, Andrea e Mike puderam desfrutar em pleno das maravilhosas paisagens finlandesas.
Verificação de pastilhas de travão com obstáculos: ao desapertar os parafusos, a chave de roquete partiu-se em dois – ainda assim, Andrea e Mike puderam desfrutar em pleno das maravilhosas paisagens finlandesas.
Verificação de pastilhas de travão com obstáculos: ao desapertar os parafusos, a chave de roquete partiu-se em dois – ainda assim, Andrea e Mike puderam desfrutar em pleno das maravilhosas paisagens finlandesas.
Verificação de pastilhas de travão com obstáculos: ao desapertar os parafusos, a chave de roquete partiu-se em dois – ainda assim, Andrea e Mike puderam desfrutar em pleno das maravilhosas paisagens finlandesas.
Verificação de pastilhas de travão com obstáculos: ao desapertar os parafusos, a chave de roquete partiu-se em dois – ainda assim, Andrea e Mike puderam desfrutar em pleno das maravilhosas paisagens finlandesas.
Verificação de pastilhas de travão com obstáculos: ao desapertar os parafusos, a chave de roquete partiu-se em dois – ainda assim, Andrea e Mike puderam desfrutar em pleno das maravilhosas paisagens finlandesas.
Verificação de pastilhas de travão com obstáculos: ao desapertar os parafusos, a chave de roquete partiu-se em dois – ainda assim, Andrea e Mike puderam desfrutar em pleno das maravilhosas paisagens finlandesas.
Verificação de pastilhas de travão com obstáculos: ao desapertar os parafusos, a chave de roquete partiu-se em dois – ainda assim, Andrea e Mike puderam desfrutar em pleno das maravilhosas paisagens finlandesas.
Verificação de pastilhas de travão com obstáculos: ao desapertar os parafusos, a chave de roquete partiu-se em dois – ainda assim, Andrea e Mike puderam desfrutar em pleno das maravilhosas paisagens finlandesas.

No pântano, afundados até aos joelhos.

Uns dias depois, visitámos um parque nacional no interior do país e caminhávamos por uma grande área de pantanal. A nossa cadela de raça Malinois, Aimée, desatou a correr em direção ao pântano – e afundou-se de imediato. Por sorte, conseguimos puxá-la para fora através da coleira. No entanto, só percebemos como o pântano era grande e impressionante quando fizemos subir o nosso drone. 

Após um passeio pela praia, alguns dias depois fomos recebidos no nosso acampamento por um habitante local com quem nunca tínhamos contado: um soldado. Ele indicou-nos que aquilo era uma zona militar em que estava a decorrer um exercício. O que mais nos espantou foi que o soldado nos transmitiu a mensagem com toda a simpatia e pediu desculpa por a zona militar não estar indicada ou cercada. Sim, ele até nos recomendou uma outra praia. Partimos do princípio que, em muitos países, este episódio teria decorrido de forma totalmente diferente.


Primeiro comer uma deliciosa sopa, depois colocar câmaras de observação de animais – no entanto, até ao momento não passou qualquer alce à frente da objetiva dos Kammermann.
Primeiro comer uma deliciosa sopa, depois colocar câmaras de observação de animais – no entanto, até ao momento não passou qualquer alce à frente da objetiva dos Kammermann.
Primeiro comer uma deliciosa sopa, depois colocar câmaras de observação de animais – no entanto, até ao momento não passou qualquer alce à frente da objetiva dos Kammermann.
Primeiro comer uma deliciosa sopa, depois colocar câmaras de observação de animais – no entanto, até ao momento não passou qualquer alce à frente da objetiva dos Kammermann.
Primeiro comer uma deliciosa sopa, depois colocar câmaras de observação de animais – no entanto, até ao momento não passou qualquer alce à frente da objetiva dos Kammermann.
Primeiro comer uma deliciosa sopa, depois colocar câmaras de observação de animais – no entanto, até ao momento não passou qualquer alce à frente da objetiva dos Kammermann.
Primeiro comer uma deliciosa sopa, depois colocar câmaras de observação de animais – no entanto, até ao momento não passou qualquer alce à frente da objetiva dos Kammermann.
Primeiro comer uma deliciosa sopa, depois colocar câmaras de observação de animais – no entanto, até ao momento não passou qualquer alce à frente da objetiva dos Kammermann.
Primeiro comer uma deliciosa sopa, depois colocar câmaras de observação de animais – no entanto, até ao momento não passou qualquer alce à frente da objetiva dos Kammermann.
Primeiro comer uma deliciosa sopa, depois colocar câmaras de observação de animais – no entanto, até ao momento não passou qualquer alce à frente da objetiva dos Kammermann.
Primeiro comer uma deliciosa sopa, depois colocar câmaras de observação de animais – no entanto, até ao momento não passou qualquer alce à frente da objetiva dos Kammermann.
Primeiro comer uma deliciosa sopa, depois colocar câmaras de observação de animais – no entanto, até ao momento não passou qualquer alce à frente da objetiva dos Kammermann.
Primeiro comer uma deliciosa sopa, depois colocar câmaras de observação de animais – no entanto, até ao momento não passou qualquer alce à frente da objetiva dos Kammermann.
Primeiro comer uma deliciosa sopa, depois colocar câmaras de observação de animais – no entanto, até ao momento não passou qualquer alce à frente da objetiva dos Kammermann.
Primeiro comer uma deliciosa sopa, depois colocar câmaras de observação de animais – no entanto, até ao momento não passou qualquer alce à frente da objetiva dos Kammermann.
Primeiro comer uma deliciosa sopa, depois colocar câmaras de observação de animais – no entanto, até ao momento não passou qualquer alce à frente da objetiva dos Kammermann.
Primeiro comer uma deliciosa sopa, depois colocar câmaras de observação de animais – no entanto, até ao momento não passou qualquer alce à frente da objetiva dos Kammermann.
Primeiro comer uma deliciosa sopa, depois colocar câmaras de observação de animais – no entanto, até ao momento não passou qualquer alce à frente da objetiva dos Kammermann.
Primeiro comer uma deliciosa sopa, depois colocar câmaras de observação de animais – no entanto, até ao momento não passou qualquer alce à frente da objetiva dos Kammermann.
Primeiro comer uma deliciosa sopa, depois colocar câmaras de observação de animais – no entanto, até ao momento não passou qualquer alce à frente da objetiva dos Kammermann.

Duche de água do mar grátis.

Realmente, a outra praia recomendada era muito idílica. Fizemos uma fogueira e deixámos findar a noite junto à água. Quanto mais viajamos para norte, mais frescas se tornam as noites. Mesmo de dia, sopra predominantemente um vento fresco. Já começámos a tirar as camisolas das malas – e os finlandeses continuam a ir ao mar tomar banho, brrr.

A última surpresa até agora foi na travessia para a ilha de Hailuoto. O ferryboat, que parte próximo da grande cidade de Oulu, faz parte da rede oficial de estradas, sendo por isso gratuito. Primeiro ficámos felizes por conseguirmos um lugar mesmo na frente. Até que as ondas se tornaram mais poderosas, concedendo ao nosso Axor um duche de água do mar. Quando estivermos novamente em terra firme, temos de remover urgentemente a água salgada.


Até lá iremos explorar a ilha através de antigos carreiros estreitos de madeireiros, apreciamos a referida sopa estival no porto – e em passeios ao serão montamos as nossas câmaras de observação de animais em troncos de árvore sempre que descobrimos um trilho. Pois até agora ainda não encontrámos nenhum alce. Mas a esperança é a última a morrer.


4-Xtremes – The World Tour.

Uma viagem sem igual.

Andrea e Mike Kammermann passaram onze meses com o seu Axor na «4-Xtremes» Tour. Agora enfrentam um desafio ainda maior. O casal suíço irá passar três anos na estrada – e a Comunidade RoadStars poderá participar novamente! Mantenham-se sempre atualizados e não percam nenhum dos destinos deslumbrantes que fazem parte da viagem do nosso casal de aventureiros.

Encontram aqui todas as partes da série «4-Xtremes – The World Tour».


Fotografia: 4-Xtremes

31 comentários