Rally: Para o motorista do Actros Simón de los Santos, não basta a autoestrada

Reportagem

Montanha acima.

Chegar a horas e viajar em segurança - são estas as prioridades para Simón de los Santos, motorista de um Actros. Mas carregar a sério no pedal é a sua paixão.

Desatrelar à sexta-feira: os serviços de transporte desta semana foram todos cumpridos.

Não é possível. As apps de meteorologia continuam a não fornecer previsões de confiança. Será preciso pôr os pneus de chuva ou bastará a habitual borracha de corrida? Simón tem de se decidir. De noite, choveu. Cá em baixo no vale, as estradas estão húmidas, mas, mais acima, o percurso já deverá estar seco. O céu está repleto de nuvens. Ainda faltam 20 minutos para a volta de teste. Cinco metros à frente, outro piloto brinca com o acelerador. São 8h15, domingo de manhã.

Dois dias antes, em Lesaka, na província de Navarra, em Espanha: a 30 minutos a sudeste de Donostia-San Sebastián, Simón de los Santos encerra o dia de trabalho. Com o seu Actros, transportou pão para as proximidades de Nantes. Na instalações do seu cliente, o Grupo Bidasoa, ele desatrela o semirreboque frigorífico. A sua família gere uma pequena empresa com dois Actros 1845. Desde segunda-feira que Simón estava em viagem em França. "Faz parte do trabalho", diz Simón enquanto tira as luvas de trabalho. Ligeiro, ele trepa de novo para a cabine e agarra nos seus documentos. Falta apenas ir ao armazém e despedir-se, antes de ir de fim de semana - um fim de semana de rally. Simón participa como piloto nos campeonatos de montanha do País Basco.


O Actros acompanha-o sempre. O logótipo da empresa familiar ornamenta a lateral do automóvel de rally.

Navarra, localizada entre os Pirenéus e o Rio Ebro, é uma região com uma economia forte. A pequena firma familiar não tem mãos a medir. O irmão mais velho de Simón, Mauro, também trabalha ao volante e a mãe trata da contabilidade. Simón é solteiro. Voltar para casa apenas ao fim de semana não é um problema para ele. "Consigo dormir quase sempre muito bem no camião", diz o jovem de 26 anos. À noite, na cama, entretém-se a ver vídeos de rallies no YouTube.

Aos 12 anos, Simón já sonhava participar, um dia, como piloto num rally. Na verdade, ele é uma pessoa calma e pouco emotiva,« mas quando fala do seu passatempo, transborda de entusiasmo: "Mal me sento no automóvel, esqueço tudo o que me rodeia. É incrível." Ele retira o resto dos seus pertences da cabine e diz: "Sou autodidata em muitos aspetos." Não tem tempo para uma verdadeira formação de condução.


A segurança é prioritária: o colega de equipa e amigo Ariel ajuda com fato de proteção.

 "O meu trabalho é conduzir camiões e quero que o rally continue a ser o meu passatempo." Aos 18 anos, como piloto principiante, gastava todo o seu dinheiro em gasolina. "Outros jovens da minha idade preferiam gastar o dinheiro em festas." Ele, pelo contrário, enfiava-se no automóvel à noite ou de manhã cedo, quando não havia trânsito, e conduzia. "Obviamente não era para levar o carro nem a mim mesmo ao limite, mas servia para ganhar experiência, por exemplo, em subidas e curvas apertadas, que percorri vezes sem conta." A iniciação no mundo das corridas exige, além de talento na condução, muito dinheiro para automóvel, equipamento e licenças.


Concentração antes do arranque - Simón ao volante do seu carro de rally.

300 metros de desnível.

Esta é a sua primeira temporada e a "Subida até Aia", como é conhecida a corrida que o aguarda, é a sua terceira prova de qualificação. "Subida" porque se trata de 3,78 quilómetros montanha acima. Entre a partida e a chegada há 300 metros de desnível. A receita para o sucesso: carregar bem no acelerador, travar tarde e nunca meter mal as mudanças. Simón diz: "Quero acumular experiência e ver se me aguento. Quase todos os pilotos andam nisto há mais tempo do que eu. Vai ser difícil."

Simón chega a Aia um dia antes da corrida, acompanhado do irmão Mauro e do amigo Ariel. No atrelado trazem o seu automóvel, um 16 válvulas vermelho de 103 kW. O primeiro obstáculo: se o automóvel não passar nas verificações técnicas, amanhã, Simón não poderá participar. "A inspeção é tão importante como a corrida em si", diz ele enquanto cola um "60" na porta do acompanhante. O número 60 é o número de partida mais elevado atribuído e, amanhã, Simón terá de ser o primeiro a arrancar.

A cobertura da grelha do radiador e o tubo da gasolina não têm proteção suficiente. "Tenho duas horas para melhorar isto." Ouve-se o zumbido da aparafusadora elétrica: Ariel faz perfurações no para-choques para fixar a nova grelha em frente ao radiador. O tubo da gasolina é reforçado com fita adesiva. Por fim, um dos homens vestidos com um polo põe o certificado na mão de Simón.

Entretanto, são 20h30. Os pilotos trazem os automóveis para o vale, em Andatza. Por hoje já chega, são horas de ir dormir.  


De manhã, o pai de Simón junta-se ao grupo. "No início, os meus pais não queriam que eu fosse piloto de rally, mas acabaram por me apoiar", diz ele e olha para o céu, passando os olhos pelo teto do pavilhão sob o qual estacionou o automóvel. Ainda não decidiu que pneus vai colocar.

A rua principal da pequena localidade assemelha-se a uma área das boxes. Até os motores mais pequenos fazem imenso barulho, uma vez que os veículos não têm silenciadores. Entretanto, a subida até Aia foi fechada ao trânsito normal. Simón limpa meticulosamente o para-brisas para que não fique embaciado durante a corrida. Ao lado, ouve-se o rugido de um motor. "Correm aqui automóveis que custam 90 000 euros. É realmente outro campeonato", diz Mauro e verifica a pressão dos pneus.


Clica aqui para saíres do RoadStars e obteres mais informações no Google Maps: Mapa no Google Maps


A decisão está tomada: Simón vai prescindir da troca de pneus. Os dispendiosos pneus de chuva poderiam deixar demasiada borracha na parte superior do percurso, onde a estrada já está seca.

Volta e meia, Simón senta-se no automóvel e agarra no volante. Mauro alivia um pouco mais a pressão dos pneus. No que diz respeito aos participantes, Simón é o novato. "Hoje, são outros que vão competir pelos lugares da frente. Agora tenho de ver do que sou capaz." O percurso é curto, com curvas perigosas. "Se cometermos um erro, podemos dizer adeus a um bom tempo." A volta de teste é importante. Se ele for eliminado, a etapa ou toda a temporada podem ficar perdidas.

Para aquecer os pneus, Simón serpenteia com o carro até à linha de partida. Mas, primeiro, o percurso tem de ser aprovado pelo Safety Car e só depois o oficial dá o sinal de partida.


Um País Basco entusiasta dos rallies.

A aceleração corre melhor do que o planeado. Simón faz um bom tempo. Ao longo do percurso, os fãs dão voz ao seu entusiasmo. Muitos já passaram a noite aqui. No País Basco, há muitos entusiastas dos rallies. As montanhas e estradas sinuosas tornam estas competições atrativas. O automóvel que partiu depois de Simón verteu óleo. Agora, os Bombeiros têm de limpar a estrada e só depois poderão continuar.

Das três corridas que ainda falta fazer, será contabilizada a mais rápida para o apuramento. Para se alcançar uma boa velocidade, é necessário manter um nível de rotações elevado. Por isso, a maioria dos pilotos trava com o pé esquerdo enquanto o direito se mantém no acelerador. "Aqui, os que ocupam os lugares da frente travam com o pé esquerdo. Eu não, ainda quero ganhar mais experiência primeiro." Mauro e Ariel acompanharam-no novamente até à partida e batem no tejadilho, a título de despedida. Agora é a sério.



Simón volta a fazer um bom arranque, contornando as curvas com velocidade. É um segundo mais rápido do que na volta de teste: 2 minutos e 28 segundos. Para um outro piloto, a corrida já terminou. O seu automóvel está na berma, virado ao contrário. Na carrinha, a equipa já festeja - Simón e o seu automóvel conseguem aguentar-se e manter-se no rally!

Mas começa novamente a chover. É preciso trocar de pneus e todos metem mãos à obra. Entretanto, os fãs tiraram os guarda-chuvas e as lonas. O tempo de Simón não melhora com a estrada molhada, mas, em compensação, ele não sai do percurso. Contudo a corrida deixa marcas no automóvel, pois nas últimas curvas da subida até Aia, o radiador caiu. "Há muito a fazer até à próxima etapa", diz ele e sorri com satisfação, apesar de tudo.

A corrida está feita. Entre os 16 participantes na sua categoria, Simón ficou em 5.º lugar! Amanhã, às 7h30, Simón voltará a estar sentado no seu Actros.

Fotografias: Sebastian Vollmert

Sem comentários