Na estrada com o empresário de transportes Georg Hegelmann e o Actros

Economia & Logística

Big in Europe.

O Hegelmann Group é um dos maiores operadores no setor europeu da logística expresso. A empresa aposta numa frota de Actros. O RoadStars acompanha o fundador da empresa, Georg Hegelmann, numa viagem por Espanha e França.

A qualquer altura em qualquer lugar. Na D914 passamos pelo Fort Saint-Elme em direção a Norte.

O smartphone no porta-objetos do Actros pisca. Contudo, Georg Hegelmann não pega nele. Quem quiser falar com ele terá de esperar pela próxima pausa. E há muita gente a querer falar com ele: propostas, informações, recomendações – Georg Hegelmann é muito solicitado. Mas, na verdade, ao longo destes dias, o seu desejo é um só: conduzir um camião. Como antigamente. 

O homem de 59 anos é um dos fundadores do Hegelmann Group de Karlsdorf-Neuthard, perto de Karlsruhe. Quando fundou a empresa em 1998, esta era composta apenas pelo próprio, o seu irmão e um camião usado. "De repente, era muito trabalho", recorda, esboça um breve sorriso e olha para o pórtico de sinalização à sua frente.


A fronteira francesa já não está longe. Bebe um gole de água, olha para a esquerda, para as montanhas verdejantes e volta a colocar a garrafa no suporte. "A organização da expedição e a contabilidade eram feitas em casa, na nossa sala de estar."



Uma das vantagens nos primeiros anos, consistia no facto de os irmãos conhecerem bem a tecnologia dos camiões da época. "Conduzíamos os dois naquela altura e tínhamos assim uma influência direta sobre os custos." Rentabilidade escrevia-se com letras grandes: manter o consumo de diesel baixo, poupar a embraiagem e os travões. Hegelmann: "Quando havia falhas, tínhamos os camiões rapidamente de volta à estrada." Hoje a empresa de logística está em 19 locais e conta com 2 500 colaboradores em toda a Europa. 2 000 camiões estão ao serviço da empresa para viagens standard, especiais e expresso. Em 2017, a empresa faturou 300 milhões de Euros.


International Player.
International Player.
O Actros Hegelmann tem o identificador de portagem certo para cada país.
O Actros Hegelmann tem o identificador de portagem certo para cada país.
Os colaboradores desde o primeiro momento ainda estão, na sua maioria, na empresa.
Os colaboradores desde o primeiro momento ainda estão, na sua maioria, na empresa.

De volta à cabina.

Na realidade, Georg Hegelmann já não faz voltas. Mas para o RoadStars, o fundador da empresa voltou a sentar-se ao volante. "Além disso, é uma forma de voltar a esta região. Fantástico!" Ele conduz o Actros 1845 branco arctic no seu trajeto em subida pela Autopista del Mediterráneo. A fronteira deve estar mesmo à frente.

A rotina de trabalho do homem de 59 anos desenrola-se sobretudo no seu escritório na sede da empresa em Karlsdorf-Neuthard. O seu filho Siegfried e o sobrinho Anton já assumiram entretanto a gerência. Contudo: "Ainda tenho muito que fazer", afirma e aponta com a cabeça para o telemóvel que nesse momento volta a sinalizar a receção de um e-mail. 

Nos últimos quatro anos, o grupo de empresas subiu alguns níveis: abriu ainda mais instalações na Europa, recrutou motoristas e investiu fortemente na frota. Só nos últimos dois anos, a empresa comprou 1.000 Actros, aos que se deverão juntar mais 500 este ano. Hegelmann sorri e afirma: "Se não tivéssemos crescido tanto nos últimos tempos, já me tinha afastado mais da empresa. Na verdade, o plano era esse."

Circula agora pela A9, que segue agora numa descida. Com a alavanca na coluna de direção coloca agora o retarder em ação e trava ligeiramente o Actros. Também agora pretende viajar com a maior eficiência possível. "Há que antecipar as situações na condução, assim o travão de pé torna-se quase desnecessário." 


"Há que antecipar as situações na condução, assim o travão de pé torna-se quase desnecessário."

– Georg Hegelmann



De manhã, em Girona no norte de Espanha, chega a informação da expedição sobre a próxima volta: de Perpignan, logo a seguir à fronteira francesa, deverá transportar laranjas no seu semirreboque refrigerado até à Áustria. Onde a próxima volta em direção à Alemanha o aguarda. Para o fim de semana tem uma pescaria combinada. "Este foi um dos passatempos que arranjei quando deixei de passar semanas a viajar de camião." 

Pouco antes de Perpignan, estaciona o Actros numa área de descanso. Responde a e-mails e faz alguns telefonemas ainda antes de chegar ao centro logístico em Perpignan e de ter de tratar da nova carga.

Ainda há tempo para uma retrospetiva: Georg Hegelmann trouxe fotos. Uma fotografia de grupo com os seus irmãos e a equipa da contabilidade do ano de 2002. Os primeiros motoristas contratados. Conhece ainda cada cara. "Felizmente, a maioria ainda está connosco." O próprio veio como russo de origem alemã em 1990 do Cazaquistão para Karlsruhe. Durante o período soviético trabalhou como motorista. "As viagens entre o Uzbequistão e Moscovo representavam na altura cerca de 5.000 quilómetros, só num sentido. Hoje a rede de autoestradas está muito mais alargada." 


"Podemos estar a postos com os nossos camiões praticamente em qualquer altura e em qualquer lugar. Esse é o nosso ponto forte."

– Georg Hegelmann


A empresa para a qual o pai de duas crianças trabalhava à época na Alemanha sofreu uma reestruturação, o que o fez perder o emprego. "Foi então que me perguntei: Que hei de fazer?" Não demorou muito a responder. "Fiz o exame para obter o certificado de aptidão para o setor dos transportes e desde então que trabalho por conta própria."

Durante as quatro semanas de estudo intenso encontrou um outro motorista que tinha contactos com um agente de fretes e foi assim que apareceram os primeiros serviços. "No início cometemos muitos erros, mas a dada altura a coisa funcionava." Veio um segundo camião. A empresa deixou a sala de estar e mudou-se para um edifício de escritórios em Bruchsal. O primeiro estabelecimento fora da Alemanha ficava em Portugal, a que se juntou outro na Polónia. Cada vez mais filiais foram abrindo por toda a Europa. 


Profissional no setor alimentar. O transporte de alimentos foi desde o início um dos focos principais para o Hegelmann Group.
Profissional no setor alimentar. O transporte de alimentos foi desde o início um dos focos principais para o Hegelmann Group.
No centro logístico de Perpignan, Georg Hegelmann carrega laranjas e troca dois dedos de conversa com o seu cliente.
No centro logístico de Perpignan, Georg Hegelmann carrega laranjas e troca dois dedos de conversa com o seu cliente.

Manter a máxima flexibilidade.

Hoje, o Hegelmann Group possui uma rede extremamente eficiente. "Estamos com toda a frota nas operações ad hoc e queremos manter a máxima flexibilidade. Procuramos evitar a especialização num setor ou em serviços recorrentes", explica o patrão sénior. A presença em toda a Europa com veículos, motoristas e infraestruturas é um dos grandes trunfos da empresa: as cargas podem ser transportadas por todo o continente, sem interrupções. "Podemos estar a postos com os nossos camiões praticamente em qualquer altura e em qualquer lugar. Esse é o nosso ponto forte." As nossas operações diárias incluem principalmente transportes críticos em termos de tempo para diversos ramos da indústria, entre os quais a indústria automóvel e alimentar.

Antes de entrar na rotunda que leva ao centro logístico, vemos um outro Actros Hegelmann parado no estacionamento da via de acesso à autoestrada. "O motorista está certamente no supermercado", diz Hegelmann, ri e aponta para a loja de descontos ao lado. Sabe bem o que é preciso para uma viagem – afinal, também ele já foi motorista.


Os locais onde o grupo Hegelmann está presente.

20 anos após a sua fundação, o Hegelmann Group encontra-se representado em toda a Europa. 19 estabelecimentos, mais de 2000 camiões e 2500 colaboradores asseguram que a empresa prestadora de serviços de logística com sede em Karlsdorf-Neuthard possa responder com flexibilidade a transportes críticos em temos de tempo para a indústria, como a indústria automóvel e alimentar.


Fotografia: Sebastian Vollmert
Video: Martin Schneider-Lau

8 comentários