4-Xtremes – Parte 6: Natal em setembro, junto ao Círculo Polar

Série: 4-Xtremes – The World Tour

Como num filme de terror.

Reencontramos a Andrea e o Mike no meio de uma grande animação em Rovaniemi. Leiam vocês mesmos como foi o seu programa alternativo!

Limpar os painéis: no norte, onde o sol não está a pique, a Andrea e o Mike prestam muita atenção para que o sistema de painéis solares esteja livre de folhas secas e sujidade para poder estar no seu máximo desempenho.


Há uns dias vivemos uma experiência algo invulgar. Estávamos numa enorme expetativa para atravessarmos o Círculo Polar na capital da Lapónia, Rovaniemi. Depois encontrámos uma grande animação – e afastámo-nos dali.

Rovaniemi é o lar do «Santa Claus». Tudo gira em torno do Pai Natal. Existe um parque temático onde podemos entregar-lhe os nossos pedidos. Mas quando chegámos, da parte da tarde, já ele tinha ido embora. E ouvir o «Jingle Bells» em pleno sol, com ninguém por perto à nossa volta, pareceu-nos o início de um filme de terror.


De quinze em quinze dias na Europa, em regiões remotas por vezes diariamente: verificações regulares ao seu camião são ações óbvias para viajantes por lugares remotos como é o caso dos Kammermann.
De quinze em quinze dias na Europa, em regiões remotas por vezes diariamente: verificações regulares ao seu camião são ações óbvias para viajantes por lugares remotos como é o caso dos Kammermann.
De quinze em quinze dias na Europa, em regiões remotas por vezes diariamente: verificações regulares ao seu camião são ações óbvias para viajantes por lugares remotos como é o caso dos Kammermann.
De quinze em quinze dias na Europa, em regiões remotas por vezes diariamente: verificações regulares ao seu camião são ações óbvias para viajantes por lugares remotos como é o caso dos Kammermann.
De quinze em quinze dias na Europa, em regiões remotas por vezes diariamente: verificações regulares ao seu camião são ações óbvias para viajantes por lugares remotos como é o caso dos Kammermann.
De quinze em quinze dias na Europa, em regiões remotas por vezes diariamente: verificações regulares ao seu camião são ações óbvias para viajantes por lugares remotos como é o caso dos Kammermann.
De quinze em quinze dias na Europa, em regiões remotas por vezes diariamente: verificações regulares ao seu camião são ações óbvias para viajantes por lugares remotos como é o caso dos Kammermann.
De quinze em quinze dias na Europa, em regiões remotas por vezes diariamente: verificações regulares ao seu camião são ações óbvias para viajantes por lugares remotos como é o caso dos Kammermann.

Verificação do veículo em vez de animação de Natal.

O que fazer? Dizer adeus – e encontrar um lugar para verificar o Axor ao detalhe! Após cerca de 100.000 quilómetros já conhecemos bem o nosso camião. Sabemos exatamente como é que ele deve soar, por exemplo. Ainda assim, o Mike verifica-o de forma regular: atualmente, em que andamos sobretudo em estradas asfaltadas, mais ou menos de quinze em quinze dias.

Nessa altura, o Mike inclina a cabina para a frente para efetuar uma inspeção visual ao motor e ver se está tudo bem apertado e vedado. Uma vez por mês ligamo-lo ao aparelho de diagnóstico e, se necessário, lubrificamos o camião. Antes de cada viagem, o Mike dá uma volta em torno do veículo para verificar, sobretudo, as luzes de posição.



Até agora só registámos uma única avaria.

É obrigatório ter a bordo muita ferramenta e peças sobressalentes como uma correia trapezoidal nova. Queremos ter a possibilidade de remendar estragos até conseguirmos alcançar a oficina mais próxima. É que, mesmo que o Mike tenha muita experiência, no caso de uma eventualidade ele não consegue resolver a situação sozinho, devido ao tamanho e peso de muitos dos componentes.

Embora, até ao momento, só tenha havido uma avaria: um aquecimento independente que derreteu na última viagem pela Mongólia. Tudo o resto foi desgaste normal. Por isso é que, após cerca de 100.000 quilómetros, estamos muito satisfeitos com o nosso Axor.

E, antes que nos esqueçamos, cruzámo-nos com um alce! Fotos não temos, já que ele – tal como nós em Rovaniemi – fugiu num ápice. Vamos continuar atentos!


4-Xtremes – The World Tour.

Uma viagem sem igual.

Andrea e Mike Kammermann passaram onze meses com o seu Axor na «4-Xtremes» Tour. Agora enfrentam um desafio ainda maior. O casal suíço irá passar três anos na estrada – e a Comunidade RoadStars poderá participar novamente! Mantenham-se sempre atualizados e não percam nenhum dos destinos deslumbrantes que fazem parte da viagem do nosso casal de aventureiros.

Encontram aqui todas as partes da série «4-Xtremes – The World Tour».


Fotografia: 4-Xtremes

16 comentários